De como o Brasil caminhou até a crise do PSL com Bolsonaro…

A guerra entre adversários e partidários do presidente pelo controle do partido expõe o baixo calão, as grosserias, estupidez e boçalidade do grupo que chegou ao poder no país com a vitória de 2018, também uma estupidez coletiva

 

JOICE COM BOLSONARO; O AMOR ACABOU POR CAUSA DO DINHEIRO DO PSL; agora sobram ofensas, agressões e preconceito, marca deste governo

Editorial

Eleito em 2018 por uma espécie de estupidez coletiva, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) inaugurou seu mandato com a exposição de um vídeo pornô em que pretendia dar lição de moral à nação.

Depois disso, como lembra o jornalista Reinaldo Azevedo, ordenou festa para o Golpe de 64, comemorou torturadores, discriminou minorias,  defendeu assassinatos em defesa da propriedade, atacou ambientalistas, ridicularizou esposas de líderes internacionais, tentou usar a Polícia Federal em seu favor, manipulou dados oficiais, agrediu adversários…

É um ignorante no comando do país.

Por tudo isso, a guerra interna no seu partido, o PSL – com todos os requintes de grosseria, ofensas mútuas, palavras de baixo calão e agressões pessoais – soa apenas como mais uma etapa neste processo que deve durar ao menos quatro anos.

Espera-se que só quatro anos.

Jair Bolsonaro já demonstrou ao mundo que não está preparado para ser presidente da República.

Agora, os seus correligionários também demonstram despreparo tanto quanto ele, usando a linguagem de animais, porcos, cadelas, ratos e veados, como fazem Joice Hasselmann e Carlos Bolsonaro.

E o Brasil que nasceu da estupidez ainda tem que aguentar toda esta porcalhada…

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *